A Palavra que se encarna

A palavra como sempre teve um papel primordial nas Escrituras. No Gênesis (Deus “disse”, “falou”) ela foi instrumento de criação. Deus falou de diversas maneiras, como através dos profetas.  E sempre, sua palavra foi poderosa. “Pois quando Deus fala, as suas palavras transmitem o seu poder.  Elas são atuais. Elas causam mudança.  Sua Palavra é ativa, criativa, re-criativa.”[i]

O ápice da palavra-evento de Deus aconteceu em Jesus de Nazaré.  A Palavra tomou forma, natureza humana.  Foi a manifestação mais perfeita de Deus.  E foi sua comunicação mais perfeita com a sua criatura. 

Em um primeiro momento, o Evangelho de Jesus é ele proclamando a si próprio e vivendo a sua própria história. Quicke comenta ele é a história na medida em que a Palavra se torna ser humano.  “Como Marshall McLuhan colocou em um diálogo com Pierre Babin: “Este é o único caso em que o meio e a mensagem são perfeitamente idênticos”.  Babin continua: “E ao explicar o termo mensagem, ele insistiu que não eras as palavras ditas por Cristo, mas o próprio Cristo…[ii]

A pregação é, de certa forma, uma continuação da encarnação de Deus.  Ele faz uso do suporte humano – pregador, linguagem – para que a sua Palavra se materialize nos que a ouvem e se transforme em atos concretos em suas ações.  A verdade e a experiência do Evangelho se concentram em Jesus, mas eles permanecem ativos na história humana, mesmo que as culturas mudem e a Boa-Nova seja ouvida de formas diferentes.  Por isso, a proclamação hoje da história atemporal de Deus é a tarefa básica de todos os pregadores, pois a humanidade depende dela para a sua salvação eterna. 

Kolbe escreve:

 

Todas as outras doutrinas ou ensinos sobre teoria política ou social, sobre valores estéticos ou morais, sobre verdades químicas ou biológicas devem permanecer como ensino sobre alguma coisa.  Somente o ensino da Palavra de Deus pode tomar o ser humano como seu objeto direto. O ensino cristão me dirige a mim e me requer; ele me transforma e re-cria.  Ele se preocupa com o que gostaríamos de saber sobre a vida, com certeza, e ele nos informa.  Mas ele também traz o verdadeiro poder de Deus – o poder de sua força perdoadora e criativa no cerne de nossa vida, e ele nos traz para o meio do poder perdoador e criativo de Deus.[iii] (djj)


[i] Kolb, speaking58

[ii] Quicke, 24

[iii] Kolk, 58

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s