> O poder das histórias

Pregação blogue dito 03

“A história da salvação diz mais do que qualquer de nossos sábios analíticos podem dizer.  A história da Boa-Nova fala mais fundo ao coração do que qualquer um dos nossos princípios teologicos.”

(Daniel Buttry em First-Person Preaching, 1998, pág. 15)

> Livro 29: Pregação que conecta

Dica de leitura 03

Qualquer mensageiro de Deus tem o desejo e a vontade de que a sua mensagem se conecte com o seu destinatário.  Certamente o pastor, o pregador, vive este desejo de forma ampliada, pois ele é a pessoa que exerce de forma especial a ação de veicular a voz de Deus que está na BíbliaImagem.  Semana após semana ele libera a voz de Deus em estudos, palestras, sermões, etc. de uma igreja.  Uma série de fatores interferem neste processo de comunicação, ampliando ou diminuindo a eficácia do processo.  O desafio é munir-se de recursos que maximizem a comunicação.

Ao longo da história da pregação (ou homilética), muitas técnicas foram desenvolvidas para auxiliar o pregador nesta tarefa.  Várias deles têm origem na retórica grega e romana, de muitos séculos atrás.  O livro Preaching that Connects (Pregação que conecta) procura mostrar como técnicas do jornalismo podem ser úteis ao pregador em sua tarefa.  O livro foi escrito pelos norte-americanos Mark Galli e Craig Brian Larson e publicado em 1994 pela editora Zondervan.  Tem 160 páginas.

O livro foi escrito em um estilo simples e direto.  O objetivo primeiro dos autores não foi o de teorizar os assuntos apresentados, mas de oferecer sugestões e exemplos práticos de como o pregador pode utilizar elementos do jornalismo em suas pregações.

Estes são alguns dos 12 capítulos: Como ser mais criativo (2); Introduções que encontram ouvintes (3); Estruturando o seu sermão para o máximo efeito (4); Como contar uma boa história (7); Usando palavras que inspiram (9).

Preaching That Connects é para todos aqueles que procuram honrar sua obra de comunicar eficazmente a verdade do Evangelho” (contracapa).

> Formas de comunicar a “antiga” mensagem

Pregação trechos

A variedade no texto das Escrituras aponta para a liberdade que o pregador tem de diversificar os formatos e estilos que usa para proclamar a Boa-nova.  O pregador pode escolher a forma mais apropriada para apresentar um aspecto diferente da mensagem bíblica.  Por isso, tomar consciência da existência de formas alternativas pode sensibilizar o pregador a considerar novas opções.  O pregador de hoje precisa estar constantemente atento para novas maneiras de compartilhar a antiga história – que é sempre nova.

Considerando a grande variedade de formas pelas  quais Deus fala na Bíblia,  Gerard Knoche diz que é surpreendente como existem pregadores “casados” com um modelo de esboço com três pontos (ou “partes”) e um poema (ou uma “ilustração”).  A perspectiva de “ganhar o interesse da congregação ou apresentar um testemunho mais pessoal – ou até para tornar o meio a mensagem – variedade na forma do sermão… parece ser ‘um caminho não percorrido’ na maioria dos púlpitos.”*

*  Knoche, Gerard H. The Creative Task – Writing the Sermon. Saint Louis: Concordia, 1977, p. 29

> Livro 28: Teologia e Pregação

Dica de leitura 03

Neste post, aprecio rapidamente o livro Preaching is believing – The Sermon as Theological Reflection  (Pregar é crer – O sermão como uma reflexão teológica).  O autor é Ronald J. Allen e foi publicado WJK em 2002.  Tem 162 páginas.

O propósito de Allen é incImagementivar os pregadores a prestarem uma atenção maior à Teologia Sistemática na preparação de seus sermões.  (De certa forma, este objetivo do livro parece ser redundante, já que todo sermão é “sistemático”, “doutrinário”, se bíblico.  Todavia, o que ele quer incentivar, em síntese, são sermões que, de forma explícita, lidem mais ou melhor com temas considerados sistemáticos – por exemplo, Batismo, Santa Ceia, Santificação.)

O “conteúdo” do livro deixa bem claro o foco do autor.  São seis capítulos que colocam uma fundamentação teórico-prática sobre o “sermão sistemático”.  Por exemplo: Por que a Igreja precisa de Teologia Sistemática hoje?; O sermão como uma forma de Teologia Sistemática; Tornando a Teologia viva em um sermão.

O último Capítulo traz uma série de sermões que tem como objetivo exemplificar a tese do autor.  Logo após, ele coloca um apêndice sobre “relacionamentos entre famílias teológicas históricas e contemporâneas”.

> Livro 27: O contexto da pregação

Dica de leitura 03

A série “Elements of Preaching” possui atualmente oito volumes (veja o link no final do post).  Um deles é o livro Knowing the Context (Conhecendo o contexto), de James R. Nieman.  Foi publicado em 2008 pela Fortress Press, dos Estados Unidos.  Tem 94 páginas.

Como fica evidente no título, Nieman foca a questão do contexto na pregação.  A proclamação nunca acontece em um vácuo, mas dentro de “ambiente” (melhor seria dizer vários “ambientes”).  E isto imagescostuma ser uma tarefa árdua para o pregador.

Knowing the Context é uma importante ferramenta para que o pregador desenvolva sua habilidade de “conhecer” o contexto e fazer com que ele seja evidente na exposição e aplicação do texto bíblico.  Além de teórico, ele oferece uma grande variedade de orientações práticas.

O livro possui cinco capítulos.  O Capítulo 1 fundamenta a questão do contexto na pregação.  O Capítulo 2 lida com o que o autor chama de “molduras” para abordar diferentes contextos. Uma das ênfases é que o contexto precisa ser identificado, porém não isolado.  A partir do Capítulo 3 o autor foca especialmente o ensino prático sobre o tema, indicando “ferramentas” para explorar contextos.  No Capítulo 4, ele aborda os “sinais” para interpretar os contextos.  E no último Capítulo ele desenvolve o que chama de “pregação contextual”, o que é e como deveria acontecer.

Link para a série: http://store.augsburgfortress.org/store/productfamily/109/Elements-of-Preaching-series

> Livro 26: A pregação e a moral

Dica de leitura 03

Existem sermões “éticos”?  David P. Gushee e Robert H. Long dizem que sim.  Eles são os autores do livro A Bolder Pulpit – Reclaiming the Moral Dimension of Preaching (em tradução livre: Um púlpito corajoso – Reivindicando a dimensão moral da pregação.  Foi publicado em em 1998 pela editora Judson Press, dos Estados Unidos.  Tem 204 páginas.

O termo “éticImagemo” se refere ao conteúdo do sermão, assim como se fala em sermão “evangelístico” ou “doutrinário”.  O propósito dos autores é assistir pregadores na preparação de sermões relacionados com a moral cristã, ou seja, a dimensão ética da mensagem cristã.  Eles justificam o livro dizendo que muito poucos pastores lidam adequadamente com a vida da Igreja, e que isto colabora com a péssima nutrição da igreja contemporânea e a erosão da autêntica moral cristã.

O livro tem dois blocos distintos.  No primeiro, com três capítulos, os autores discutem o que chamam de “método”.  É uma fundamentação teórica sobre a questão do “vácuo” moral na pregação contemporânea e de como ele pode ser revertido.  A proposta é que a Igreja tenha “pregadores de ética” e “pregação de ética”.

A segunda parte, e mais extensa, traz uma série de 18 exemplos de sermões que focam especialmente questões éticas.  Os autores procuram focar implicações morais de um de bíblico.  Alguns dos títulos: “A santidade da vida humana”; “A vocação do pai cristão”; “Sobre o isolamento do meio social”; “Relações raciais: uma perspectiva bíblica”; “Por que ser bom?”