> Livro 20: Pregando uma Palavra “escanteada”

Dica de leitura 03

Walter Brueggemann é um teólogo norte-americano, especialista no texto bíblico do Antigo Testamento e autor de dezenas de livros.  Alguns poucos foram traduzidos para o Português (“Imaginação Profética” talvez seja o mais conhecido).  Tornou-se uma referência em estudos teológicos na sua área.  Imagem
Exegeta em essência, Brueggemann aproxima-se em vários momentos da proclamação da Palavra, especialmente a pregação.  É o caso do seu livro “The Word Militant – Preaching a Decentering Word” (algo como: “A Palavra militante – pregando uma Palavra fora do centro”.  Foi publicado pela Fortress Press, EUA, em 2007. Tem 212 páginas.
Trata-se de uma coletânea de artigos que gravitam em torno da pregação (proclamação) cristã em diferentes níveis.
Em tradução livre, os artigos (capítulos) são estes:
– Em perigo com o Texto
– A pregação como reimaginação
– O pregador, o texto e as pessoas
– A forma de falar antiga e o ouvir contemporâneo
– Um “ou” imaginativo
– Que a Palavra possa ser reescrita
– A natureza social do texto bíblico para a pregação
– A voz gritante de uma festa ferida
– Vida ou morte: comunicação des-privilegiada
– Pregando para exilados
– Pregando uma “sub-versão”
– Contando a verdade como uma obediência subversiva

Uma citação de Walter no blogue http://cleverchristian.blogspot.com.br/search/label/Drops%20sobre%20serm%C3%A3o

“Temos que manter a nossa fala próxima da realidade e distante de toda a abstração. Temos que evitar a coerção. Simplesmente possuímos uma verdade diferente para dizer a respeito das nossas vidas e devemos contar isto para que as pessoas vejam o quanto há de relevância. A igreja tem sido muito distante da realidade vivida, enquanto a Bíblia nunca é remota”.

Anúncios

> Livros 02

Dica de leitura 03

Alyce M. McKenzie é uma teóloga norte-americana que atua especialmente na área da educação de comunicadores da Palavra de Deus – como pregadores ou professores de ensino religioso.  Seus escritos giram basicamente em torno de dois eixos: “sabedoria” (sapiência – como o livro de Provérbios, do Antigo Testamento) e criatividade na proclamação da Escritura.
Seu último livro, Novel Preaching, de 2010, mostra como os pregadores podem aprender a comunicar a Palavra usando técnicas de escritores de romances.

Esta abordagem não é nova. Um dos pioneiros no uso da literatura secular como “fonte de inspiração” foi o teóloge5ec923f8da019a154b7a010.Lo luterano Francis Rossow, professor de homilética durante muitos anos no Concordia Seminary de Saint Louis, Missouri, Eua.  Todavia, a autora traz dicas importantes para pregadores, especialmente.

Mas indo ao que importa: Na Dica de Leitura de hoje, um livro da teóloga para pregadores e professores (infelizmente, apenas em inglês): Hear and be wise – Becoming a preacher and teacher of wisdom. (Ouça e seja sábio – Tornando-se um pregador e professor sábio – ou de sabedoria). Foi publicado em 2004 pela Abingdon Press, dos EUA.
Segundo Alyce, um dos papeis pastorais que muitas vezes é relegado a um segundo plano é o de ser um “ensinador sábio”, que é capaz de fazer com que seus ouvintes “ouçam e sejam sábios”.  Ela indica quatro qualidades que ajudam para que isto possa acontecer: joelhos dobrados (oração), coração aberto (ouvinte), mente aberta e voz corajosa.
Ao desdobrar estas qualidades, a autora coloca quatro ingredientes que julga importantes na proclamação da Palavra:
a) O emprego do sensorial – replicando a vida humana – por meio de imagens, metáforas, histórias conectadas com as emoções e o intelecto das pessoas.
b) O uso de experiências na primeira pessoa, mas sem apelo narcisista.
c) O ensino sem chatice.
d) A abordagem de questões controversas – sem defensividade e abertura para o diálogo.

Nas 208 páginas do livro, a autora, além da teoria, traz um bom número de exemplos. O livro bíblico bíblico de Provérbios é um referencial recorrente, tanto em termos teóricos como práticos.  Os recursos de  ensinos de Jesus também aparecem com frequência.