> Livros 06: A arte e a construção do sermão

Dica de leitura 03

The Art & Craft of Biblical Preaching (A arte e a construção da pregação bíblica) foi “livro homilético do ano” em 2005, nos EUA.  Logo se tornou uma referência em relação aos mais diversos aspectos relacionados com a pregação cristã.

O livro é uma coImagemletânea de 201 artigos (capítulos), escritos por dezenas de autores, a maioria com estudos na área da homilética.  São mais de 700 páginas e um CD que traz gravações ilustrando diversos temas.  Foi publicado pela Zondervan, em 2005 e organizado pelos homileta Haddon Robinson e Graig Brian Larson.

O livro é dividido em 11 blocos: O alto chamado para a pregação; A vida espiritual do pregador; Considerando os ouvintes; Interpretação e aplicação; Estrutura; Estilo; Histórias e ilustrações; Preparação; Entrega; Tópicos especiais; Avaliação. Cada bloco contem, em média, 10 ou mais artigos.

No final, o livro traz uma bibliografia anotada.  Nela, o autor recupera o que julga serem os principais livros que moldaram o desenvolvimento da homilética.

Pela quantidade e qualidade do textos que o livro traz, é uma ferramenta útil para todos os pregadores da Palavra de Deus.

> Livros 01: Pregação 360 graus

Dica de leitura 03

A dica de leitura de hoje é o livro em inglês 360 Degree Preaching – Hearing, Speaking, and Living the Word (algo como “Pregação 360 graus – Ouvindo, falando e vivendo a Palavra de Deus).
O autor é M307524ichael J. Quicke, professor de Pregação e Comunicação nos EUA. Foi publicado pela Baker Academic em 2003.
O livro tem dois grandes blocos. No primeiro, Quicke traz seis capítulos que podem ser vistos como uma espécie de “justificação e contextualização da pregação”. Ele aborda a origem da pregação e o seu papel na realidade atual. Um dos capítulos lida com a pessoa do pregador e o poder da Palavra.
No segundo bloco, o autor apresenta uma sistemática para a elaboração de um sermão. Ele a chama de “preaching swim” – algo como “pregação nadar”.
Segundo Quicke, o modelo procura replicar um nado rio abaixo. Ele procura fazer com que o pregador “pule” no rio da proclamação da Palavra de Deus e permaneça focado na energia e no movimento de Deus (no caso do rio, da água), na medida em que sua voz é liberada em uma pregação. Para tanto, ele aborda uma série de estágios do “nado semanal” que o pregador deve fazer – da exegese à entrega, além de discutir os formatos básicos de sermão.
A ênfase do autor é na formatação expositória da pregação, mas pode ser útil para outras formatações (tópico, textual, etc.). De qualquer forma, ele apresenta algumas ideias e sugestões que são inovadoras, criativas.

Trecho: “O pregador precisa usar a criatividade, limitada por uma exegese rigorosa, na medida em que trabalha as possibilidades de foco e função do sermão.” (pág. 159)

>> Material está na Editora

Os textos do livro foram enviados para a editora (Concórdia, Porto Alegre) em fevereiro. Não tenho confirmação de prazos. Mas a perspectiva é que o livro esteja pronto até, no máximo, em maio. Todavia, imprevistos podem ocorrer em uma ou mais etapas. Quando eu tiver novidades, postarei. djj

>> O projeto hoje

Esse post para dar uma idéia geral do conteúdo (ainda sujeito a alterações)

Parte I

 

Motivos e rumos para a criatividade

 

Introdução ……………………………………………………………………………………………….

1. Ventos que sopram na pregação …………………………………………………………….

2. Da fala de Deus à fala do pregador ………………………………………………………….

3. De volta ao jardim de infância – ou Em busca da criatividade ……………………..

4. Novos barris: A criatividade na pregação ………………………………………………….

5. Com capa e espada: o papel da imaginação ……………………………………………..

6. Usando a imaginação na pregação …………………………………………………………..

 

Parte II

 

Criatividade por meio da construção de pontes

 

Introdução ……………………………………………………………………………………………….

7. Por uma atitude dialógica no sermão ………………………………………………………

8. Quando o pregador pára de falar e começa a ouvir …………………………………..

9. Era uma vez…  A importância das histórias ………………………………………………

10. Conectando o passado e o presente no sermão ……………………………………..

 

Parte III

 

A criatividade por meio da variedade – 1

 

Introdução ……………………………………………………………………………………………….

11. Entre a predicabilidade e a variedade  ……………………………………………………

12. Os formatos clássicos de sermão …………………………………………………………..

13. O sermão como um evento narrativo …………………………………………………….

14. O sermão narrativo na primeira pessoa ………………………………………………….

15. Começando o sermão com variedade …………………………………………………….

16. Concluindo o sermão com variedade ……………………………………………………..

17. O uso criativo do diálogo na estrutura do sermão ……………………………………

18. Criatividade e variedade na justaposição de textos bíblicos ………………………

19. Aproximando textos bíblicos por meio da Conexão-Evangelho ………………….

20. O sermão com base em uma palavra do texto bíblico ……………………………….

21. Variedade no uso de títulos para os sermões ……………………………………………

22. O que vai acontecer no próximo capítulo? As séries de sermões ………………..

 

Parte IV

 

A criatividade por meio da variedade 2

 

Introdução ……………………………………………………………………………………………….

21. Variedade no uso de ilustrações ……………………………………………………………

22. Vendo as palavras: as figuras de linguagem na Bíblia e no sermão …………….

23. Criatividade por meio do uso de analogias ampliadas ………………………………

24.Variedade na justaposição de Lei e Evangelho …………………………………………

25. Variedade no uso de ênfases na pessoa e obra de Jesus Cristo ………………. (djj)

>> O projeto hoje

Finalmente o livro está ganhando ‘cara”. A princípio, estes são os capítulos da Parte 1 (serão 4):

Parte I

 

Motivos e rumos para a criatividade

 

Introdução ……………………………………………………………………………………………….

1. Ventos que sopram na pregação ………………………………………………………………

2. Da fala de Deus à fala do pregador ………………………………………………………….

3. De volta ao jardim de infância – ou Em busca da criatividade ……………………..

4. Novos barris: A criatividade na pregação ………………………………………………….

5. Com capa e espada: o papel da imaginação ……………………………………………..

6. O que você vê, pregador?  Usando a imaginação na pregação ……………………

(djj)

 

 

>> O projeto hoje

– Um dos últimos capítulos rascunhado: Variedade na proclamação do Evangelho. Mais de 30 maneiras de falar da obra e pessoa de Jesus. (Veja exemplo em post anterior – Jesus, o Médico.)
– Início da etapa de revisão, organização e redação final. 
– Ainda mantido o prazo para o fechamento dos originais: final de 2008.

(djj)